quinta-feira, 6 de janeiro de 2005

Sinto em mim a ânsia de devorar as palavras até à mais pequenina letra.
Engolir as frases.
Folhear avidamente, página atrás de página.
Deixar escapar todas as paragens de metro/autocarro que relembram a vida que ainda tenho por viver.
Assim leio Vergílio. Assim escorrego pelo prazer negligenciado nos últimos tempos.
Dualidade de ler o que me sabe bem: Este querer digerir duma só vez . Este querer saborear devagarinho.
Hoje percebi que faltavam três folhas apenas e esforcei-me para as fazer durar. Controlando a necessidade de mastigar tudo num segundo. Procurei pausar em cada ponto. Deixar as reflexões derreterem-se na boca. Sorver os pensamentos soltando-os logo de seguida, livres de percorrerem o meu imaginário.

Sento-me lado a lado de virgulas, exclamações, reticências e interrogações. Permito a invasão do meu corpo porque as palavras também sentem.
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!